quarta-feira, 15 de outubro de 2008

Intemporal


Cu-cu cu-cu…ao som do cuco e das sete badaladas que marcavam o findar da manhã ali estava eu. A sala de estar estava numa temperatura aprazível, aquecida pela lareira de estilo simplista, e eu sentado no meu cadeirão, ainda de pijama e com um robe para me aconchegar do vento que assobiava lá fora como uma surdina. Passava um homem que, trivialmente, passeava o seu adorado cão, tão velho como o dono, no pequeno e requintado jardim público que cerca a urbe de casas. Louco seria ele, mas mais louco estava eu. O velho deambulava sobriamente quase controlado pelo seu estimado animal, sobre uma chuva ligeira, uma chuva extemporânea, daquelas dignas de um romance. Uma caricatura interessante. Sem sentido. O mundo pareceu-me apenas um pouco mais vazio.
Já não sou Rei da minha pessoa. Estou distante. Esperançado, mas distante. Fantoche deste mundo. Ai, mundo! A realidade é perversa. Deixa-me. Estou bem. Tudo aqui parece sereno, transparente, elevado. Puro. Transcende-me. Estou entre o céu e a terra. Flutuo sobre a neblina flutuante com o espírito livre, emergindo da massa dos homens para tocar Deus. A eternidade num segundo. O efêmero estendido no infinito. O principio do Omega e o fim do Alfa, o Universo num sopro fugaz, suave e saboroso.
Tenho a impressão de que a vida tem um sentido místico onde mil um mistérios por desvender estão camuflados, resguardados, protegidos (será?), para lá do visível, enigmas sumptuosamente escavados em rochas de amor que são palavras em letra antiga, herméticos, velhos sons que não se ouvem mas pressentem-se. Segredo do mundo, o Mundo num segredo.

4 comentários:

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Ana Moreira disse...

Diogo, tens uma suavidade de escrita que eu invejo! :O Dá-me prazer ler o que escreves. És sublime. :)

catarina santos disse...

Nem há palavras para este grandioso texto!
Bem, eu apreciei imenso o teu comentaro (: E o toque chique nem tem nada a ver comigo, apenas para nao tornar o texto tao melancolico decidi por uma pitada de piada :p

Um beijinho ;D

Ana Moreira disse...

Eu também a mania da perfeição e concordo contigo, não é nada bom!

Se realmente me viste só pode ter sido em Lisboa porque nunca tive nenhuma visita de estudo a Salamanca, mas não me lembro de ti lá na secundária. :S Estou agora no 12º.. Há quantos anos deixaste o secundário?