sexta-feira, 14 de agosto de 2009

"...O que as estrelas contam..."

No outro dia vi-te sabes? Fui á praia por apreço á minha alma, e por saudade da tua. Pensei que havia uma tempestade, mas não. Aparentemente devia ser uma intempérie no meu interior. O sol iluminava as campinas circundantes. Os fetos e as heras cobriam as casas antigas no topo das dunas e sombreavam o areal com as suas formas irregulares. O vento, estranhamente, era de sul e ao tocar no meu rosto beijou-me com o aroma de mil manjericos, e a doçura do chocolate derretido por saborear. Fez-me girar a cabeça de encontro ao brilhante areal aquecido muitas vezes por nós. Recordas-te?
O caminho por entre as dunas ficava logo á esquerda. Durante muito tempo este foi mesmo o meu miradouro. Vinha para aqui ver todos os fins de tarde. As gaivotas voavam em direcção á areia fina e dourada que emana calor, tal como o meu coração por ti. Mas não, não ia ver as gaivotas, o areal, o mar ondular sobre os meus olhos tantas vezes verdes, nem sentir o calor aprazível do final de tarde. O que me trazia aqui todos os dias era a miragem que tinha de ti. Era teu espectador. Eu, o sol, e o espreitar da lua absorvente, esplendorosa, e rainha do teu ser. Ai como amava. A tua sombra aumentava á medida que caminhavas, diria eu, em direcção á bola de fogo laranja eclipsada pelo horizonte. Os teus pés ao tocar a água eram força da natureza. Criavam correntes. Eram génese de vida. A maresia era o teu vestido, e as rochas os teus adereços. Eras um só com o cenário. Eu sorria enquanto passava a mão no meu cabelo engelhado. Eras divina. Sentia-me divino contigo.
Antes podia passear contigo aí em baixo. O areal era o nosso reino e tu a minha princesa. Sentavas-te e deixavas-me silenciado. Já sabias que o meu silêncio era prelúdio de um Amor em crescimento e de uma paixão efervescente. Gostava quando te tocava. Estremecias e escondias a lágrima no canto do olho. Eu tirava-te a mão para que chorasses. Choravas o Amor que nunca tive, uma paixão que deleitava o bater do meu coração, e o desejo de teres o meu corpo e partilhares comigo a noite.
Um dia, neste mesmo mar, entraste comigo para te render ao desejo infinito de seres um só comigo. A praia era nossa. Contudo, por momentos não havia praia. Eras tu, eu, e a nossa união de corpo e alma. O prazer que sentimos fazia mover cada pequeno músculo do nosso corpo, e as nossas veias latejavam quando beijavas o meu corpo salgado. As tuas mãos entrelaçaram-se nas minhas e tocaste o meu corpo como se fosse a última vez. Mal eu sabia que era.
Agora não passo disto. Um mero contador de histórias sobre o maior Amor de todos os tempos que acabou. Um néscio e serôdio apaixonado. O teu observador.
Tudo que reparo agora é na tua falta de equilíbrio. Tantas vezes foram as que te dei a mão para não caíres. Outras tantas já te tirei do areal onde caias com frequência. E agora sempre que cais não sais do chão. Mas reconheço esse olhar. Esse toque insubstituível será sempre meu. Sinto-o.
Estás mais fraca sem mim porque te transporto comigo. Deste-te e não te devolvi.
O que tu não sabes é que hoje tudo mudou. Hoje quero sentir-te. Hoje quero beijar os teus lábios e senti-los afogarem-se em lágrimas de alegria. Quero que entres no mar comigo e me tenhas só teu. Quero a minha vida e a tua a deslizar como gotas de suor dos nossos corpos.
Desço as dunas em passo lento. Tu paras ao ver-me. Se calhar não me reconheces. Esta é a imagem mais linda que tenho de ti. O Sol bate-me nos olhos e tudo que vejo é um espectro brilhante com a tua silhueta. As tuas lágrimas voltaram a cair. Hoje limpo-tas de novo. Agora fecha os olhos e sente-me.

8 comentários:

Patrícia Santos disse...

Obrigada (: deu me bastante prazer a escrever.

"Eras divina." Divino está este texto, gostei muito.

beijinho

Mara disse...

Fico sempre abismada depois de ler o que escrever. És, de facto, muito bom escritor. E esse amor...parece imenso*

mary ♥ disse...

Primeiro que tudo obrigada pelo comentário.
Agora sobre o teu blog: adorei o texto, está simplesmente divino. Invejo esse sentimento que invocas e que te dita as palavras que escreves.
Sem dúvida voltarei cá mais vezes.

Anónimo disse...

olaaaaaaaaaaaaa :)

hum explica-me mlhr o que queres dizer com o teu comentario??

:^)

Bia disse...

está PERFEITO, tens noção?? =')

Anónimo disse...

Juventude crescente
Sentimento aparente
Felicidade explosiva
Tocas-me onde me sinto
Olhas-me...
Tremo, fujo
Nao, nao por desgostar
Sim, por te amar
Tento dizer te a emoçao que vivo
Toco o passado em busca do futuro
Feridas inapagadas pela chama
Arde em dor...
Nao se esquece algo inexplicavel
Travar o inevitavel
Pensava-te guardado pelo sonho
Afinal esta acarinhado
O escape à razão torna se incerteza
Recorro à tentação
Quero-te, desejo-te...
Chegas-te a mim
Deixa-me prever...
Sentimento constante
Beijo emocionante
Renascimento das cinzas
Onde te encontro em chama ardente
Meu, sempre, eternamente.

Anónimo disse...

Olá!

Chamo-me Catarina e gostei bastante do teu blogue, escreves com alma! :) posso fazer-te um pedido especial? Será que a próxima foto pode ser uma recente de ti no pólo aquático ou de speedos (vi as tuas postagens mais antigas)? É que te achei tão giro, queria poder ver-te melhor se é que me entendes =P bjs** (espero que não leves a mal)! E ganhaste uma fá, vou tentar vir aqui sempre ler!

Autora disse...

Uff!

Finalmente consegui respirar!

Um sufoco enquanto devorava este delicioso texto...

Depois de ter feito um bolo de chocolate e o ter comido sozinha, em segundos, prometi a mim mesma que iria controlar os meus instintos. Em vão! Tal como no bolo de chocolate, já começo a salivar só de olhar... Provo um pedaço. Amo. Principio lentamente, quero sentir tudo... Humm... Está a ser tão bom! Não resisto: devoro! No final, sabe sempre a pouco, mas recordo o dia todo como foi bom :)